Dermatites e Outros Problemas de Pele


O que são dermatites e como podemos detectá-las?
Uma dermatite é uma condição que envolve uma área de pele que se tornou inflamada e infectada. A pele afetada muitas vezes aparece como um inchaço, área úmida, avermelhada e que é dolorosa e causa muita coceira para o cão. A perda de pelos também pode ser vista. Geralmente, o cão ira lamber e coçar continuamente a área afetada, fazendo com que surjam feridas e sangramentos na pele.

O que fazer e como prevenir?
Tudo o que provoca comichão na pele pode conduzir ao desenvolvimento de dermatites nos cães. Alguns gatilhos comuns são atopia (alergias a coisas no ambiente, tais como gramíneas, árvores, ervas daninhas, ácaros, etc), alergias alimentares, pulgas, ácaros, picadas de insetos e feridas na pele. A infecção bacteriana da pele (tipicamente causada por estafilococos) pode se desenvolver também, tirando partido da pele inflamada e danificada. A infecção é frequentemente profunda na pele do cão e causa, além do aspecto  de ferida úmida, um odor forte característico presente.

Como são tratadas as dermatites?
O objetivo do tratamento é eliminar a infecção bacteriana, aliviar a coceira e a dor, além de identificar e remover os gatilhos subjacentes, se possível. Os pelos em torno da dermatite do cão geralmente são cortados para permitir a limpeza inicial da área e a aplicação de medicações tópicas. O tratamento tópico com sprays, cremes ou pomadas para matar as bactérias e ajudar com a dor e a inflamação são frequentemente utilizados. Os antibióticos orais são geralmente prescritos para um curso de três a quatro semanas e às vezes mais. Muitas vezes, um curso curto de corticosteróides (ou seja, prednisona) é dado para aliviar a coceira e dor devido à inflamação. Os anti-histamínicos, também pode ser usado para ajudar com comichão.

Lembre-se de procurar ajuda veterinária logo que identificar alguma feriada ou coceira no seu animal de estimação. Quanto antes iniciar um tratamento, mais rápido seu cão ira melhorar, evitando sofrimento e problemas mais graves.

Dermatite ou Sarna?


Já escrevi aqui um pouco a respeito das dermatites que acometem alguns cães. Os meus dois Golden sofrem desse mal de tempos em tempos e com a experiência que tive com eles, além de conversar com veterinários, aprendi algumas coisas. O mais importante é conhecer um pouco mais a respeito do assunto e tentar identificar o que seu cão pode ter para, dessa forma, direcionar melhor o tratamento. Porém, como sempre ressalto, é fundamental que o diagnóstico seja feito por um profissional da área, que irá identificar da forma correta e sugerir o melhor tratamento. Portanto, espero que esse texto te ajude de alguma forma, mas não deixe de levar seu animal de estimação ao veterinário.

É normal o cão ter coceiras esporádicas. Contudo, se elas se tornarem freqüentes, com queda de pêlos e feridas pelo corpo, podem causar grandes inquietudes, falta de apetite, perda de peso e infecção crônica de pele.

CAUSAS MAIS FREQÜENTES
Dermatites alérgicas

– Por picada de pulgas: Causa coceira intermitente com queda de pelos. Ocorre mais na base da cauda, nas pernas e na barriga, mas em casos crônicos pode atingir outras partes do corpo, como o dorso. É tratada com anti-pulgas e, se a alergia for forte, com anti-alérgicos corticóides ou não esteróides.

– Por inalantes: Conhecida como atopia, origina-se de poeira, ácaros, pólen, desinfetantes e outros produtos químicos aspirados pelo cão. A coceira aparece primeiro no abdômen e depois se espalha pelo corpo. Há também queda de pelo, feridas na pele com infecções, pelo seco ou engordurado e escurecimento da pele. Evite o contato do cão com a substância que lhe causa alergia. Os sintomas são combatidos com anti-alérgicos corticóides ou não esteróides, xampus medicamentosos e, havendo feridas infectadas, anti-bióticos.

– Medicamentosa: Aparece primeiro na barriga e se alastra por outras áreas, causando coceira, queda de pelo, feridas na pele com infecções, pelo seco ou engordurado e escurecimento da pele. Evite o uso de medicamentos que já causaram alergias no cão. O tratamento consiste no uso de anti-alérgicos corticóides ou não esteróides, xampus medicamentosos e anti-bióticos, no caso de haver feridas infectadas.

– Alimentar: Conhecida como dermatite genérico-alimentar, é causada pelo excesso ou falta de algum nutriente na alimentação, ou pela sensibilidade do cão a um de seus componentes. No primeiro caso, há coceira, perda de peso, queda acentuada dos pelos, vômito e diarréia. Os tipos mais comuns dessa dermatite são causados pela deficiência de zinco e pela falta de vitamina A. No outro caso, há coceira intensa pelo corpo todo, queda generalizada dos pelos e feridas por toda a pele. No tratamento combatem-se os sintomas através de anti-alérgicos corticóides ou não esteróides, xampus medicamentosos e anti-bióticos, se houver feridas infectadas.

Sarnas
– Sarcóptica: Conhecida como escabiose canina, é causada pelo ácaro Sarcoptes Canis. O contágio acontece por contato com animal afetado ou com objeto utilizado por este. No início, há uma coceira muito intensa na cabeça, no abdômen e nas patas, que, de tão intensa, é capaz de levar à perda de peso. Pode evoluir para queda progressiva de pêlos por todo o corpo, vermelhidão na pele, com aparecimento de crostas e infecções, e posterior enegrecimento da pele. Deve-se tosar o cão para retirar uma das fontes de alimento do ácaro e inibir a proliferação de bactérias anaeróbicas. Utiliza-se também soluções parasiticidas à base de amitraz ou lindane e, nos casos mais graves, anti-bióticos e anti-alérgicos. O uso da ivermectina também é indicado, mas só deve ser feito por um veterinário, pois algumas raças, como Collies, Old English Sheepdogs e Pastores de Shetland, são muito sensíveis a esse medicamento, podendo até morrer se houver uma reação alérgica.

– Demodécica: Conhecida como sarna negra ou demodicose, é causada pelo ácaro Demodex Canis. Os primeiros sintomas são queda de pelos na cabeça e nas extremidades do corpo. Quando está associada a uma infecção bacteriana, há uma coceira intensa. Acredita-se que o contágio acontece por contato direto durante os primeiros dias de vida. Os sintomas só costumam aparecer quando há baixa resistência (no primeiro ano de vida ou em cães idosos). Se não for tratada, a queda de pelos se generaliza e a pele fica enegrecida e com elevações. Aparecem crostas, úlceras, pus e há sangramento. É tratada com acaricidas à base de amitraz. Deve-se também usar anti-bióticos, por causa da infecção bacteriana secundária.

– Otodécica: Chamada de otoacaríase, é causada pelo ácaro Octodectes Cynos. Ela causa intensa coceira nas orelhas, podendo se estender para a cabeça e o pescoço.Há ainda o aparecimento de cerume enegrecido nas orelhas. Se não tratada surgem lesões próximo à região.O contágio se dá por contato direto. No tratamento, aplicam-se gotas otológicas de acaricidas à base de amitraz diluídas em óleo mineral. A ivermectina também é indicada, o que só deve ser feito por um veterinário. Dermatite seborréica secundária normalmente acompanha dermatites que causam feridas infeccionadas. Provoca caspa, coceira e muita queda de pelos. Raças como Beagle, Cocker Spaniel Inglês e Pastor Alemão têm tendências hereditárias a desenvolver o problema. Deve-se descobrir a causa da dermatite e tratá-la, além de usar xampus medicamentos para pêlos secos ou oleosos. Existe um tipo de seborréia, chamada de idiopática, que apresenta os mesmos sintomas, mas cuja causa ainda é desconhecida.

CAUSAS MENOS FREQÜENTES

– Acme: Espécie de espinha que causa coceira e queda de pelo. Em geral, aparece sob o queixo. É tratada com cremes anti-alérgicos, anti-inflamatórios e anti-fúngicos.

– Piododermatite dos cães pastores:
É causada por vários tipos de bactérias e o Pastor Alemão é a raça mais atingida. Há coceira e queda de pelo, além de lesões com pus e sangramentos. Trata-se com anti-alérgicos e anti-bióticos.

– Dermatite pelo uso de coleira anti-pulgas: Surge quando o cão é alérgico à coleira anti-pulgas. Provoca coceira e vermelhidão ao redor do pescoço. Deve-se retirar a coleira e usar anti-alérgicos.

– Queiletielose: Provocada pelo ácaro Cheyletiella blakei, causa coceira intensa no dorso e abdômen. Trata-se com acaricidas à base de amitraz e carbanatos.

– Rabujo: O excesso de secreção das glândulas lubrificadoras do ânus faz o animal coçar-se, causando infecção local e até auto-mutilação. O tratamento é feito com anti-bióticos e, nos casos mais graves, com a retirada cirúrgica da glândula.

Matéria publicada na Revista Cães & Cia, edição 272.

Dermatite Canina


A dermatite canina é o segundo distúrbio cutâneo alérgico mais comum, sendo menos freqüente apenas que a dermatite alérgica à picada de pulgas. Algumas raças são mais predispostas a desenvolverem a dermatite atópica como Shar Pei, West Highland White Terrier, Scoth Terrier, Lhasa Apso, Shih Tzu, Fox Terrier de Pêlo Duro, Dálmata, Pug, Setter Irlandês, Boston Terrier, Golden Retriever, Boxer, Setter Inglês, Labrador, Schnauzer Miniatura, Pastor Belga e Buldog Inglês. A DAC também pode acometer cães mestiços.

A idade em que os sinais clínicos se iniciam varia de seis meses a sete anos, sendo que, cerca de 70% dos cães desenvolvem o problema entre 1 e 3 anos de idade. Entretanto, Shar Peis, Akitas e Golden Retrievers podem ocasionalmente apresentar atopia antes dos 6 meses de idade.

Os sinais clínicos iniciais podem manifestar-se em determinada época do ano, dividindo a DAC em sazonal e não sazonal. Nos Estados Unidos, cerca de 80% doas cães com atopia sazonal manifestam sinais clínicos iniciais no período da primavera ao outono e 20% apresentam sintomatologia no inverno. Eventualmente, alguns cães desenvolvem a forma de atopia não sazonal, na qual o prurido ocorre durante todo o ano, porém, há agravamento dos sinais nos meses mais quentes. Nesses cães, a doença tende a se tornar mais crônica.

As dermatites têm origens variadas e o tratamento depende dos agentes causadores. Fungos e bactérias estão entre os mais comuns causadores de dermatites. Alguns animais podem desenvolver reações alérgicas como a alergia à picada de pulgas e com isso provocar uma reação nos locais da picada, gerando uma dermatite. Mas outras doenças também podem provocar dermatite como as doenças de origem endócrina como o Hipotireoidismo.

A umidade na pelagem e a falta de ventilação da pele é uma das causas mais comum de dermatite em cães. Neste caso, as bactérias e os fungos encontram condições de se desenvolverem e assim provocam uma inflamação. O cão, principalmente, começa a se coçar e ai acaba lesando ainda mais a pele, o que provocará uma piora do quadro.

Os animais de pelagem longa têm que ser escovados rotineiramente a fim de que permitam a aeração da pele. A utilização de roupas continuamente também estimula a fermentação e o desenvolvimento de dermatites.

Sempre que banhar o seu animal tenha certeza de que secou muito bem a pelagem. Animais de pelagem longa precisam ser secos com secador elétrico (isso é essencial). A umidade certamente favorecerá a fermentação e a produção de odor (cheiro de cachorro molhado).

Existe também a dermatite psicossomática, ou seja, causada por um distúrbio emocional do animal. Isso acontece muito quando o cão se sente sozinho ou passa por algum stress. Geralmente, começa a lamber alguma parte do corpo, até que esse ato provoque lesões na pele.

O Oliver apresentou uma dermatite quando ainda era filhote. Depois disso, nunca mais teve nenhuma reação. Por outro lado, o Ja Rule apresenta ciclos de dermatite. Os locais onde mais ela se manifesta são tornozelos, cauda e pata, variando sempre a cada ciclo. No caso dele, a incidência diminuiu bastante depois que tomamos mais cuidado após o banho, para deixar a pelagem completamente seca, sem nenhuma umidade. Além disso, também aumentamos o controle contra pulgas e carrapatos, pois ele tinha um histórico de alergia à picadas desses parasitas.

Se notar qualquer lesão na pele do seu cão ou gato, ou perceber que ele coça uma região insistentemente, não deixe de consultar o veterinário, pois quanto mais rápido o diagnóstico, mais rápido será a cura e menor será a gravidade da lesão na pele.