Posse Responsável


Recebo muito e-mails de leitores com duvidas na horas de escolher onde adquirir seu animal de estimacao. E essa et uma preocupacao realmente importante pois hoje em dia existem “criadores” que visam somente lucro, nao se preocupando com o mais importante: a integridade dos animais.

Pensando nisso, comecei a pesquisar o assunto na internet e com a ajuda de outros blogueiros e profissionais da area, encontrei algumas informacoes que podem ajudar a quem esta passando por essa fase. E aproveito tambem para sempre deixar um alerta: pense na adocao! Existem milhares de caes e gatos procurando por um lar. Voce pode fazer a diferenca na vida desses animais.

Primeiro, converse com o criador e vá conhecer pessoalmente as instalações do canil. Não confie só nos sites e nunca compre um cachorro em uma loja online. As imagens podem ser falsas e o suposto bem estar pode ser só uma ilusão. Peça referências de outras pessoas que já lidaram com o criador e veja sua reputação no mercado.
Peça informações sobre a raça, pedigree e exames realizados durante a gravidez. O criador é um especialista na raça e deverá informá-lo de maneira precisa as características como origem, predisposições de saúde, padrão físico e comportamento.
Se possível, peça para ver os pais da cria e certifique-se que os filhotes já estão vermifugados, vacinados e com uma avaliação do veterinário garantindo que são saudáveis.
Pergunte sobre como é o processo de cruzamento, se há uma pausa entre cios e como o criador cuida dos cães idosos no canil. Peça para vê-los.
A partir daí você poderá analisar o conhecimento do criador, a história que ele tem com animais e o tratamento dado no canil.
É um processo bilateral, não só você precisa conhecer o criador como ele também precisa confiar que o cão estará indo para as mãos certas. Um criador não mandaria o cão sem antes conhecer mais sobre você e ter certeza que você pode oferecer tudo que o animal precisa.
É imprescindível que um contrato seja assinado, garantindo que caso a convivência não corra como planejada, o cão deverá ser devolvido para o criador.
O ideal é que mesmo depois do animal já estar adaptado, o criador continue checando o bem estar do mesmo e esteja disponível para tirar dúvidas.

Fonte: Samantha Kelly – Portal do Dog

Adoção – Vamos ajudar!


   
Eu sou a Sandrinha. Tenho o pelo de cor bege e sou uma cachorrinha porte médio. Fui resgatada com a patinha em carne viva, mas agora já estou ótima. Sou muito boazinha e me dou bem com outros animais. Tenho um aninho e já estou castrada e vacinada. Oi, eu sou o Indi. Tenho esse nome porque fui resgatado na Avenida Indianópolis após ser atropelado.  Tenho dois aninhos, sou muito esperto, gosto muito de brincar e já estou castrado e vacinado.
   
Oie, eu sou a Preta, uma cachorrinha de porte médio, muito boazinha e brincalhona. Tenho 10 meses de idade e fui resgatado na porta de uma escola sendo maltratada por crianças. Eu tinha muita sarna e carrapatos, mas hoje estou ótima e não tenho mais. Me dou bem com pessoas e outros animais . Preciso de um dono que goste muito de brincar. Já estou castrada e vacinada. Eu sou o Bebê. Fui retirado da minha mamãe ainda filhotinho, não tinha nem 15 dias de vida. Arrumei uma mãe de leite e irmãozinhos adotivos, mas todos foram para uma feira de adoção e conseguiram uma família, menos eu. Ainda não entendo por quê. Sou muito dócil e brincalhão. Já estou castrado e vacinado.
   
Meu nome é Chorona. Sou uma linda cachorrinha de 1 ano e 6 meses. Fui resgatada com as duas patas direitas quebradas. Já estou me recuperando, mas às vezes manco da pata traseira. Sou muito ativa, gosto muito de brincar e me dou muito bem com outros animais. Já estou castrada e vacinada. Hey amigos. Tudo bem? Eu sou a Polly, essa linda gatinha tricolor. Tenho essa carinha fechada, mas na verdade sou tímida. Tenho 10 meses de idade e fui resgatada com uma pessoa drogada. Eu tinha marcas de espancamento e sangrava muito. Depois de um longo tratamento, já estou muito bem, mas fiquei com um pequeno machucado no olho. Sou muito quietinha e preciso de atenção. Já estou castrada.
 

Eu sou o Dudu, um cachorro muito brincalhão que adora crianças. Fui resgatado muito fraquinho e não conseguia comer direito. Tive sinomose, mas já estou curado. Adoro brincar com outros animais. Tenho 10 meses e já estou castrado e vacinado.

 

Oi, eu sou a Mica, fui resgatada após ser atropelada no dia da mudança! Infelizmente perdi um olhinho, mas isso não me impede de ser feliz e ter uma vida normal! Sou linda e muito fofa!!! Já estou castrada e vacinada. Agora só preciso de uma família para passar esse natal ao lado de quem me ame de verdade!

 

Se você gostou de algum de nós, entre em contato com a Tia Sheila ou com a Tia Letícia pelo e-mailwwgrassi@yahoo.com.br ou pelos telefones 11 2741-6959 ou 11 2746-7669.

Criação Responsável


Escolher o acasalamento adequado entre cães é uma tarefa extremamente complicada e que exige muita dedicação por parte dos criadores de qualquer raça. Com o Golden Retriever não é diferente! Para os leigos pode parecer muito simples produzir filhotes de uma determinada raça: basta cruzar um exemplar fêmea com um macho, correto?

 Errado! A arte de criar cães vai muito além da escolha de um pai e mãe bonitos, quando levada a sério. Quando um criador profissional cruza dois Goldens Retrievers, ele pesquisa a fundo o pedigree dos parentes deste cão, bem como suas características fenótipas e genéticas. Isso significa saber quais são as doenças mais comuns na linha de sangue e quais as qualidades e defeitos mais passados por cada cão e sua família.

Golden Retriever

No Brasil não são muitos os criadores que realmente levam o processo a sério. Além da já tradicional checagem de displasia coxo-femural, outras são as doenças genéticas que deveriam ser avaliadas:

  • Displasia coxo-femural
  • Displasia de cotovelo
  • Catarata
  • Problemas cardíacos

Nos EUA existe a OFA que serve como um órgão validador de exames, emitindo pareceres oficiais e ainda tem uma base de dados aberta para consulta, onde é possível identificar o histórico do cão. Essa informação porém é restrita visto que o proprietário do cão pode autorizar ou não que os resultados apareçam. Para alguns cães, por exemplo, vemos anos consecutivos de laudos bons de catarata e depois nenhum registro para um determinado ano. Isso pode acontecer porque o cão falhou no último exame e o proprietário não quis mais apresentar o resultado. Ou simplesmente o cão não falhou mas o dono optou por não apresentar o resultado. Por este motivo, mesmo tomando os históricos disponíveis como base podemos errar e tirar conclusões precipitadas. Saindo do campo da saúde canina, entramos no campo do fenótipo e genótipo.

Golden Retriever

O fenótipo é aquilo que o cão é, como ele se apresenta, se é bonito ou não, por exemplo. Já o genótipo carrega as informações hereditárias, o que o cão recebeu de seus ancestrais e o que ele passa adiante para seus filhos. Mais uma vez são poucas as pessoas que dominam estes campos, mas o importante é entender que Goldens Retrievers com excelente fenótipo não necessariamente produzem bons filhotes porque o seu genótipo pode não ser dos melhores.

Filhotes de Golden Retriever

Quando vamos escolher uma fêmea e um macho para um acasalamento, precisamos ver não somente se os dois são belos mas como são seus irmãos. É comum ver um cão de uma ninhada se destacar, porém seus irmãos serem todos medíocres. Isso indica um problema, já que geneticamente as chances são maiores de produzir filhotes medíocres. Como eram os seus pais? Mais importante ainda: é muito recomendável analisar o histórico de filhotes destes cães. Isso é impossível num primeiro acasalamento de um Golden Retriever mas muito bom quando já teve algumas crias. Assim é possível identificar quais características são mais comuns em seus filhotes. Quais pontos fortes ele passa? Quais pontos fracos? Assim pode-se pesar as chances e escolher um casal adequado para gerar filhotes como você mais espera. 

Mesmo assim a natureza não é uma ciência exata. Com isso, o mais importante é realmente pesquisar tudo, fazer todo o dever de casa possível e ainda sim contar com um pouco de sorte e uma mãozinha da mãe natureza!

Despreparo de muitos; consciência de poucos…


Mesmo com campanhas nas TV’s e meios especializados, continua aumentando o abandono de animais. É um problema grave e crescente, que causa transtornos não só aos próprios animais, como à população de modo geral, com o risco de propagação de doenças e ataques de cães soltos nas ruas.

Esse tema já foi abordado aqui no Blog e sempre que posso, trago mais informações. Pode parecer pouco, mas é uma forma que tenho de tentar ajudar os donos (e futuros donos) a adotarem a criação responsável e o respeito pelos animais. Graças a Deus, recebo muitos comentários positivos e vejo que muitos estão se engajando nessa luta também.

Deixo abaixo mais uma reportagem a respeito desse problema.

http://g1.globo.com/Noticias/Brasil/0,,MUL1437782-5598,00-CACHORROS+ABANDONADOS+SAO+ASTROS+DE+CALENDARIO+DE+ONG.html

 

Labrador disponível para adoção


Uma amiga está com um Labrador para adoção. Conheço o cão e posso dizer que é muito dócil, brincalhão e com muita energia para gastar, como um típico Labrador deve ser. Está com aproximadamente 8 meses, bem de saúde e é um macho. É essencial que a pessoa que vá recebê-lo tenha bastante espaço e algum tempo disponível para dedicar aos cuidados necessários que um Labrador demanda, além de gostar muito de cães.  Ah, outro detalhe: o cão está em Belo Horizonte – MG. Abaixo algumas fotos dele:

halley001

halley002

 

 

 

 

 

 

 

Quem tiver interesse pode enviar um email para mundogolden@hotmail.com com os dados para contato!

Adoção


Um dos meus projetos que ainda pretendo concluir é ter um local onde possa criar meus cães com mais conforto, tanto para mim, quanto para eles.

E esse projeto inclui um outro: adotar um cão!

Recomendo sempre a alguém que me procura falando que deseja ter um animal de estimação, geralmente um cão ou um gato, que pense na possibilidade de adotar ao invés de comprar. Existem instituições dedicadas a cuidar de cães que foram abandonados pelos donos ou que nasceram nas ruas. São instituições sérias e que, na maioria das vezes, dependem de recursos de terceiros e trabalho voluntário. Tenho acompanhado mais de perto o trabalho dessas pessoas (não tão de perto quanto gostaria, mas…) e vejo que é realmente uma atividade importante e séria. Coloquei na página inicial do Blog os links de algumas instituições onde você poderá obter mais informações. Vale a pena conhecer… e pense nisso!