Primeiros Socorros – Parte I

Achei uma reportagem muito interessante no site do Dr. Wilson Grassi a respeito dos primeiros socorros que podemos fazer e que, muitas vezes, podem significar a diferença entre a vida e a morte para o animal. Portanto, vou publicar aqui e espero que não seja nunca necessário, mas que se um dia for, pelo menos nós donos estejamos mais preparados para socorrer nossos pets. Em breve, colocarei aqui mais dicas e cuidados importantes.

Vamos lá! Algumas situações críticas podem acontecer com nossos amigos animais. Quanto mais rápido forem socorridos, melhor, mas às vezes acontecem situações no meio da noite, aos domingos e feriados, e a clínica veterinária que conhecemos está pode estar fechada. Não devemos desistir e enquanto algum familiar telefona para conseguir um endereço de um hospital 24 horas, ou vai tirando o carro da garagem, podemos iniciar os Primeiros Socorros.

Cada caso é um caso, então vamos separar por problema:

Vômitos e diarréia: Um vômito eventual não é um problema. O problema são vômitos frequentes e sucessivos. Diarréia idem! Aqui vale o estado geral. Se o animal está aparentemente bem, forte e com a face normal, apenas retire a água e o alimento de perto dele. Esqueça o soro em animais que estão vomitando. Só vai ocasionar mais vômito. O melhor é o jejum total por algumas horas. Se além de vomitar o bichinho está tremendo e salivando, não perca nenhum minuto e corra a um veterinário, pode estar intoxicado.

Dores agudas: quedas ou escorregões no meio da brincadeira, ás vezes acabam em fraturas ou torções doloridas. Lembre-se sempre de colocar uma focinheira antes de lidar com um animal com dor. Ele pode ficar agressivo em razão da dor e machucar você por instinto. Na verdade, em caso de dor, o melhor conselho é fazer o mínimo possível antes de chegar ao veterinário. Nem pense em antiinflamatórios de uso humano por conta própria, senão além da dor atual, você ainda vai ter que tratar uma gastroenterite medicamentosa e perigosa. Os antiinflamatórios são preferencialmente injetáveis nos casos agudos, pois agem mais rápido e não passam pelo estômago. Tente carregar “seu paciente” com o mínimo de movimentação dele e se a dor não passar em alguns minutos, procure um veterinário.

Envenenamento: se você percebeu ou desconfia de um envenenamento por veneno de rato, ou mesmo comprimidos ingeridos por acidente, não deve perder tempo, mas pode ser benéfico induzir o vômito o quanto antes. Entupi-lo de leite pode não ser a melhor alternativa. Fazê-lo beber água com bastante sal de cozinha é útil. Provoca vômito que diminui a absorção das toxinas. Cuidado para não exagerar e sufocá-lo. Após a tentativa do sal, quem tiver em casa carvão mineral, pode diluir em água e também fazê-lo beber. O carvão absorve toxinas. Repito, faça tudo isso, mas não perca tempo, corra logo ao primeiro veterinário disponível!

Crise de tosse: aqueça o animal e obrigue ao repouso. Deixe-o um pouco no banheiro, com o chuveiro ligado, para respirar o vapor. Se não resolver, já sabe: veterinário.

Cortes ou mordeduras: ferimentos perfurantes podem provocar hemorragias e infecções. Cortes em vidros ou metais, mordidas de outros cães ou gatos, etc. Se o machucado for pequeno e aparecer apenas algumas gotinhas de sangue, limpe e aplique um anti-séptico, como água oxigenada ou iodo. Se for grande e / ou estiver sangrando muito, tente manter a sua calma e a dele. Coloque seu companheiro em um lugar limpo e fresco, se possível enfaixe e comprima suavemente a região. Evite a movimentação dele, transmita calma e segurança, mas corra ao veterinário. Qualquer tipo de ferida perfurante vai exigir uso de antibióticos específicos, aplicados ou receitados pelo veterinário. Desprezar este cuidado pode ser um erro e dias depois poderiam aparecer os chamados abscessos, que são acúmulos de pus debaixo da pele.

Nem todas as feridas perfurantes requerem pontos. Normalmente pontos só são feitos com o animal anestesiado ou sedado e em ferimentos recentes, o que nem sempre é o caso. Ao examinar, o veterinário fará a avaliação do que é preciso.

Corpo estranho preso na boca: parece brincadeira, mas não é. Já perdi a conta de quantas lascas de osso, espetinhos de churrasco, anzóis, barbantes e outras tranqueiras já tirei de entre os dentes de cães e gatos. Se você percebeu algo estranho preso na boca do seu amigo, pense duas vezes antes de por a mão lá, pois ele pode morder devido à dor. Segure as patas para que ele não piore a situação, cutucando, e vá até a clínica. Pode ser necessária sedação para tirar o objeto de lá.

Uma dica importante: não se esqueça, quando falamos em Primeiros Socorros, é porque sabemos que existe a necessidade dos Segundos Socorros, e que estes, devem ser realizados pelo seu veterinário de confiança, o quanto antes.

*Wilson Grassi -médico veterinário

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s