Nem sempre são como cães e gatos…

Esqueça aquela velha história de inimigos mortais. Diferentemente do que retratam filmes e desenhos animados, cães e gatos costumam conviver em harmonia e, pasmem, a soberania é quase sempre felina.
“Os gatos são mais territoriais e, por isso, têm fama de durões”, explica a veterinária especializada em felinos Graziela Maria Vieira. “Já os cachorros são mais sociais e administram bem um animal de espécie diferente no mesmo espaço.”

Na casa do estudante Silvio Crisostomo e da supervisora Lela Santos, ambos 36, quem realmente manda é Atina. Aos três anos, a gata SRD (sem raça definida) faz do labrador Geremias, 7, um verdadeiro capacho. 

É possível sim conviver bem!

É possível sim conviver bem!

Atina “adotou” Geremias; aos três anos, a gata SRD (sem raça definida) faz do labrador de sete anos um verdadeiro capacho.

“Ela chegou para salvar Gerê de uma depressão profunda. Ele ficava muito sozinho e, segundo o veterinário, precisava de uma companhia”, conta Silvio. Como a casa não comportava outro animal do mesmo tamanho, fizeram o teste com a gata, e deu certo.

Atina, que durante a reportagem brigava com o cão ao vê-lo receber afagos, captou a mensagem. “Ela adotou o cachorro a ponto de sentir ciúme dele”, diz Lela. “Se brigamos com Gerê por causa de alguma travessura, ela fica ao seu lado e nos ignora.”

Veterinário e professor de psicobiologia da PUC-SP, Mauro Lantzman faz um alerta sobre esses palpites, que interpretam como ciúme alguns comportamentos. “Quando bichos e humanos dividem o mesmo teto, algumas respostas a estímulos podem ser confundidos com personalidade.”

Dona de dois cachorros e três gatos, a veterinária Fernanda Lorenzo, 25, comprovou a superioridade dos felinos. “Já tinha os cachorros quando os gatos vieram. Em questão de dias, os bichanos mostraram seus traços dominantes”, afirma.

Na relação entre a gata Olívia e o cão IG, ambos sem raça definida, é ela quem dá as cartas. “Ele chega a chorar quando Olívia impede seu caminho.” Já no caso da outra gata da família, a vira-lata Julieta, 4, a história muda um pouco, e ela costuma se adaptar ao comportamento dos cães. Se eles estão à beira da mesa pedindo comida, lá está ela fazendo o mesmo.

Sinal de que os gatos não são dominantes sempre. “Isso depende do ambiente social em que vivem e do temperamento do cachorro”, frisa o veterinário Lantzman.

Como garantir uma convivência pacífica:

– Gatos de pelos longos, como persas e angorás, são mais adaptáveis ao convívio com cachorros.

– Para os cães, não existe uma raça adequada, basta que o animal seja dócil.

– Quando o bicho novo chegar, deixe-o em um cômodo sozinho durante 24 horas.

– O tempo irá ajudá-lo a reconhecer os movimentos da casa e fará com que os animais sintam os cheiros uns dos outros por debaixo da porta.

Fonte: Revista Folha (http://www1.folha.uol.com.br/folha/bichos/ult10006u636719.shtml)

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s